Descrição

Sobre ter ou não ter ou sobre ser ou não ser amigo

- Tá, mas onde você trabalha?
Essa foi a frase... A RP de repente parou e começou a analisar a situação. A pergunta era comum, ela sabia. Sem motivo aparente para pensar sobre, afinal a resposta era quase automática. Mas a questão era quem perguntava...
Começou a recordar... Conhecia aquela figura a bem mais tempo do que conhecia as meninas com quem escreve esse blog... Ela era a famosa porta pro passado, existiam coisas que só ela entenderia e mais ninguém... Coisas que só podia contar pra ela, afinal eram 9 anos de amizade... 9 anos... E naquele dia ela parou pra pensar sobre a atenção que tem dado aos amigos... Aos que valem a pena pelo menos. E esse era um motivo pra crise, afinal grandes amizades tinham virado virtuais, e se não fosse o computador talvez nem existissem mais... O tempo vai passando, você vai crescendo e mudando seus ciclos de amigos... Mas alguns ficam, e você se esforça pra que eles fiquem...
- Por que tanto drama então? O importante não é a amizade de vocês?
- Por quê? Porque uma das minhas melhores amigas não sabe onde eu trabalho!
- Ahhhhh... (duplo)
- Mas RP, se você não tem tempo nem pra gente que mora na mesma cidade, quanto mais pra outras amigas, né?!
- Ta vendo, esse é o problema, tenho me sentido mal... Eu sei, mantive amigos de muitas épocas na minha vida, mas é engraçado, essas pessoas quase não me conhecem mais... Sabem que tenho uma vida corrida, que me formei, que continuo estudando, mas e o cotidiano? O cotidiano que eu tanto valorizo elas não conhecem mais...
- É a gente entende (momento Avon!). De algumas coisas a gente também não anda tendo muita notícia, sabe?! E sim, isso foi uma indireta pra você!
Mas quem nunca passou por momentos assim que atire a primeira pedra... Uma pessoa cresce contigo e por algum motivo vocês vão se perdendo e esquecendo de se reencontrar... Daí vêm todas aquelas mensagens que dizem que grandes amigos de um ano serão apenas colegas no ano seguinte e assim vai.
Todas elas tinham amigos de anos sim, mas todos isolados. Se decidissem dar uma festa somente pra amigos seriam 2 ou 3 de cada etapa da vida... Uma loucura, e como diria o Teatro Mágico, porque que a gente não se junta numa coisa só? Seria uma espécie de Orkut, só que REAL, afinal cada amigo traz com ele mais 2 ou 3 de cada etapa da sua vida...
A verdade é que esse é mesmo um texto difícil de escrever. Amigos são amigos e pronto, não?! Não ficam indo e vindo como bumerangues... Pelo menos não deviam...
A PP concordava que tava mesmo na hora de um texto sobre isso, embora não tivesse a menor idéia de como tocar no assunto. Além disso, nesse momento ela estava literalmente lavando seus contatos com água e sabão. Os amigos a gente conserva e até tenta juntar os mini-grupos pra ver se fica mais fácil agendar as programações, e se ficar dúvida se compensa manter o papo ou não, deleta e pronto! Era a filosofia do mês, por mais que ela fosse sentir falta desses deletados depois...
- Então eu mandei um e-mail pra contar que eu ia estar ausente; mandei um coletivo mais por educação mesmo. Logo em seguida chegou um retorno, só que sem cópia pros outros... Se fosse há um tempinho atrás, mesmo assim, eu teria respondido na hora. Dessa vez eu só apaguei... Aí, no outro final de semana, eu tava super entrando no mercado e avistei um amigo meu – ou pelo menos costumava ser, e um dos melhores, por acaso. Olhei pra frente e passei direto. Menor vontade de parar pra dizer oi... É normal isso? Preciso de terapia? TO, me ajuda!
- Você não disse que tava filtrando coisas na sua vida, inclusive os seus contatos?
- E to mesmo. Mas, ah... Sei lá... É estranho...
E “sei lá” significava: pultz, como é que numa hora uma pessoa tem partes da sua vida com ela, sabe o seu estado de humor, ta ali presente pra todas as histórias que você resolver contar, e na hora seguinte parece que nunca te viu? Apenas colegas no ano seguinte, e completos desconhecidos 2 anos depois...
- O meu problema é que quando não vejo as pessoas, já acho que não tem mais amizade... Só um pouquinho exagerada...
Mas o comentário da TO não deixava de ser real. A questão da vez não era precisar de amigos novos, era manter os antigos sem perder os atuais... Para as três era um momento de agendas totalmente fora de sincronia e algumas histórias e panelas de brigadeiro se perdendo no caminho...
Mas então, no final do e-mail sugerindo o início desse post, a RP dizia “não se esqueçam que eu amo vocês”. Ta, isso não ia fazer com que elas se vissem mais vezes, não ia impedir a PP de filtrar contatos, ou fazer a TO se sentir com menos amigos por falar pouco com eles, mas sem dúvida nenhuma, fazia toda a diferença...
E não. A canção no final da página não vai ser aquele tema clássico de festas de formatura. A gente acredita no amigos para sempre, mas não vamos exagerar, né?!


7 comentários

Ale^ disse...

Sabe de uma coisa?
Essa dúvida paira no meu ar também, sabia?
O que fazer com os amigos?E o que tiro de conclusão qndo penso sobre isso? Aqueles que são realmente indispensáveis nunca nos abandonam, por mais que o tempo separe, estarão sempre lá, olhando por nós...
E o resto?É, o resto dos amigos talvez estejam se perguntando o mesmo e esperando que nós iremos aos seus encontros.
Mas a necessidade é sempre uma: Façamos amigos novos, pq esses talvez não se canse de ouvir suas loucuras de começo..kkk
Beijos, Alessandra

Diego Augusto dos Santos disse...

"Amizades virtuais"
há um grande paradoxo nessa frase,se levarmos em consideração que amigos são reais.
Utilizar a tecnologia para estarmos mais proximos mesmo distantes é uma coisa, Se limitar a esse recurso para manter contato demonstra o quão próximos estamos dos Cyborgs que ainda serão inventados.
hao!

Anônimo disse...

Pois é ... É muito engraçado essa coisa de ter amigos, ser e não ser... Não acredito que essas amizades virtuais sejam de todo ruins mais é uma coisa a ser pensada... Antes um e-mail do que um esquecimento total né?

Caca beiju da Leca

Paulo Henrique de Morais Silva disse...

Prefiro acreditar, que vivo o hoje, e talvez acordarei para um amanhã, quero meus amigos perto, mas nao posso forçá-los, quero que eles não me procurem só quando o computador parou de funcionar ou por que precisam de um DJ, minha amizade não quero como hospital quero que seja como...

Gostei do Post... me fez refletir

Anônimo disse...

É amigo estou aqui pra dizer que adoro o Dialetos e que gostaria que tivesse uma frequência maior...
é bom pensar sobre a vida, principalmente quando falamos de amizade que é sua segunda familia né? A que você escolhe... Um beijo Caca e pras 2 que eu não conheço rsrsrs
Amanda! ^^ S2

Whisky disse...

amizades virtuais... bm concordo em partes...
mas é uma temática bem atual!

glaucia disse...

oi meninas! amei, tive a leve impressão de que voltei no passado.
Quantos nomes , quantos rostos que ficaram prá trás, mas devemos nos esforçar para não deixar isso acontecer,e usar os meios que estão ao nosso alcançe sim.
Beijos e continuem escrevendo , mesmo que não consigam morar para sempre na mesma cidade.

Postar um comentário